Correia Dentada: Quando Trocar e Qual o Preço

É bom saber que a correia dentada também deve ser substituída, e em intervalos regulares. Confira agora!

Como todas as peças do veículo, a correia dentada também não é eterna. Pois, prestando atenção a esta peça tão simples, mas tão essencial à vida do motor, é possível evitar problemas sérios e gastos desnecessários.

Entretanto, é bom saber que a correia também deve ser substituída, e em intervalos regulares. Justamente para evitar problemas no motor, que também podem se tornar graves do ponto de vista do seu tamanho e, portanto, da carteira do motorista.

Uma peça essencial à vida do motor

Uma ruptura na correia dentada pode causar danos consideráveis que, como mencionado, podem ir desde a quebra de válvulas e pistões, até a bomba d’água e o eixo.

No entanto, se considerarmos que a integridade do motor está em jogo, e, portanto – em caso de rompimento da correia – causará uma despesa considerável em caso de reparo, a importância de saber “quando” substituir a correia torna-se fundamental.

Por que a correia dentada se rompe?

Em primeiro lugar, é necessário levar em consideração as condições em que nossa correia dentada deve operar. Como sendo: temperaturas excessivas no compartimento do motor, vários tipos de viagens, talvez uso que envolva subidas frequentes, carga considerável do veículo ou prevalência de autoestradas ou então em estradas irregulares.

Todas as causas que, a longo prazo, podem causar “rachaduras” sutis na estrutura da correia que, se não forem identificadas rapidamente, determinam inevitavelmente o rompimento da correia. É por isso que é importante ficar de olho em sua condição.

Acima, foram mencionadas algumas das situações que podem causar o rompimento da correia e que, em geral, estão associadas a uma condição de “sobrecarga”. Resumindo-os, podemos rastrear a quebra da correia dentada em um ou mais destes casos:

  • Desgaste de um rolamento tensor ou de ambos os componentes;
  • Quilometragem excessiva;
  • Polias desalinhadas;
  • Temperatura excessiva do motor;
  • Presença de qualquer corpo estranho que estique muito a correia ou de maneira anormal.

A importância das verificações periódicas

Nem é preciso dizer que é essencial lembrar de verificar as condições da correia de vez em quando.

Geralmente, a cada 30.000 km é bom dar uma olhada: assim você perceberá, com o tempo, se está intacta ou se, ao contrário, começa a dar sinais de desgaste ou se sua tensão não está correta.

Quando trocar a correia dentada?

correia dentada e correia do motor quando trocar

As correias dentadas são “silenciosas”, infelizmente não “avisam” ao condutor que atingiram um desgaste excessivo. Por isso, é necessário prestar muita atenção à quilometragem do carro ou ao número de anos decorridos desde a última substituição ou então, no caso de um único veículo proprietário, desde a data de compra.

Existe uma regra geral, segundo a qual a substituição da correia deve ser realizada:

  • Entre 100.000 e 180.000 km, ou
  • a cada cinco ou seis anos.

Conforme mencionado acima, depende muito das condições de uso do veículo. Então, por isso que é importante “investigar” seu estado de desgaste em intervalos regulares.

Contudo, para dirimir qualquer dúvida, os fabricantes relatam, na caderneta de uso e manutenção, as indicações – justamente em termos de quilometragem ou anos – a serem respeitadas na troca de correia, que é fundamental levar em consideração.

Qual o custo para trocar a correia dentada?

O componente em si, ou apenas a correia, custa relativamente pouco: na média de R$ 300 a R$ 500, dependendo do modelo do veículo. Porém, deve-se ter em mente que, na maioria das vezes, todo o kit deve ser trocado junto com a correia, consistindo em:

  • Correia dentada;
  • Tensor fixo da correia;
  • Tensor ajustável da correia.

Veja Também:

Gostou dessas dicas? Então continue acompanhando nossas novidades sobre carros e motos!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.